Apesar da meditação ser já uma prática milenar comum na cultura oriental, começa apenas agora a ser mais ouvida na cultura ocidental.

Mas afinal o que é a meditação? E o que pode esta pequena e simples palavra, que carrega com ela tanto misticismo, curiosidade e esperança, representar na nossa vida?

A meditação é uma técnica que permite através da prática ampliarmos a nossa consciência para o que se passa não só à nossa volta, mas também das nossas emoções e do nosso corpo físico e emocional. Permite-nos ter a capacidade de viver no presente, relaxando a nossa mente e os nossos pensamentos com o objetivo de alcançarmos um estado de felicidade puro e independente de bens materiais e outras variáveis que estão fora do nosso controlo.

Podemos caracterizar a meditação como a ferramenta que nos permite trabalharmo-nos, conhecermo-nos verdadeiramente e evoluirmos de forma consciente, mergulhando dentro do nosso corpo físico (numa primeira fase), emocional e espiritual (numa fase mais avançada) de forma a atingirmos uma unidade do nosso próprio ser. Deste ponto de vista, a felicidade será a nossa meta. Mas não uma felicidade falsa, com base em pequenos momentos dependentes da matéria que caso nos escapem ao controlo, e acabam sempre por nos escapar, nos deixam tremendamente angustiados. Ela busca uma felicidade plena, independente de bens e pessoas, em que o que precisamos para ser felizes e plenos não se encontra fora mas sim dentro de nós próprios. É por isso uma felicidade simples e desprovida de falsas realizações, mas sim algo puramente e emocionalmente realista, sincero e cheio de plenitude e equilíbrio.

meditação terapeutica integral

É importante que exista uma prática diária de meditação de forma a se poderem ver resultados mais concretos, isto porque quando falamos em ter consciência de nós próprios, falarmos provavelmente dum dos objetivos mais difíceis de atingir. Na meditação somos seres cheios de livre-arbítrio e totalmente livres, porque nada depende dos outros ou de variáveis externas, tudo e mesmo tudo, depende unicamente de nós e da nossa entrega à prática. E isso é algo desafiante e difícil, mas também muito recompensador!

Existem várias técnicas de meditação, desde a técnica milenar budista ao mais recente mindfulness, mas todas elas têm algo em comum, são sempre compostas por um exercício respiratório que nos permite concentrar e ganhar consciência do nosso corpo, tornando-nos seres mais relaxados e mais atentos à energia que está à nossa volta e que nos preenche.

Mas qual a técnica melhor e mais eficaz? Para esta questão não existe uma resposta concreta, sendo que cada um deve procurar a técnica com a qual se caracteriza mais ou que sinta que consegue alcançar a serenidade duma forma mais eficaz. Independentemente da técnica escolhida e praticada o que importa é que nos sintamos bem e seguros com o que estamos a fazer, permitindo-nos entregar à experiência de corpo e alma.

Uma das questões que é muitas vezes colocada e deixa os mais céticos apreensivos em relação à meditação é o facto desta estar também fortemente conectada a um ponto de vista mais espiritual. A verdade é que caso permitamos, ela pode realmente tornar-se uma experiência muito mais profunda e espiritual do que apenas física, no entanto, esta não é de todo a vertente mais importante e pode, caso assim o desejarmos, não fazer de todo parte do nosso objetivo da prática.

Desde a década de 80 que se têm vindo a realizar estudos científicos que comprovam e demonstram os benefícios da meditação, como por exemplo: a diminuição do risco das doenças cardiovasculares, hipertensão, dor crónica, diabetes, ansiedade, enxaqueca e depressão; melhor qualidade do sono e diminuição de insónias; melhoria dos sintomas de doenças como cancro, fibromialgia, síndrome do cólon irritável, asma e desordens respiratórias, psoríase e esclerose múltipla. Verificou-se também um aumento da resposta do sistema imunitário em pessoas que praticavam meditação e no caso de toxicodependentes, ajudou a reduzir os níveis de stress e a evitar recaídas.  Um outro estudo realizado em 2005, verificou que as pessoas que praticavam meditação há já alguns anos apresentavam, quando comparadas a pessoas que não praticavam, uma maior atividade cerebral do lado esquerdo do cortéx cerebral, que se encontra associado a sentimentos, emoções de felicidade e entusiasmo. Estudos posteriores demonstraram também um menor atrofiamento cerebral em pessoas praticantes de meditação, que se encontra diretamente associado a uma velocidade de envelhecimento mais baixa, tendo sido o tempo mínimo de prática de meditação diária necessária para esta alteração ocorrer, de apenas 8 semanas.

Nas crianças, verificou-se que a prática de meditação promove um aumento da capacidade cognitiva e da atenção e um aumento de compaixão e empatia para consigo próprias e os outros.

Portanto, como podemos ver a meditação já é hoje em dia, algo que vai muito mais além de um tabu ou uma tradição religiosa oriental. Ela começa a ser vista e estudada a nível de prática com benefícios bem visíveis e concretos para uma melhoria a nível de saúde física, emocional e numa ultima instância, é até mesmo considerada como uma ferramenta útil para uma evolução espiritual do ser em busca da unidade com o Universo e o sentido da Vida.

Resumindo, podemos até dizer que as diferentes técnicas de meditação são as diferentes formas do caminho que existem para chegarmos a uma única meta: a consciência do ser como um todo pleno e equilibrado!

Tânia Santos

Aulas de Meditação Terapêutica – CENIF Amadora

Inscrição: amadora@cenif.com
Valor mensal: €15
2 aulas por mês aos sábados, 18h00
Ao segundo e quarto sábado de cada mês.
Professor: Tânia Santos