O CENIF, Centro Português de Investigação e Formação em Terapias Complementares, tem como código de conduta e ética para os seus terapeutas que realizem a prática de Reiki ao Domicílio em regime contratado ou de voluntariado os seguintes artigos.

Código de ética para serviços ao domicílio

Artigo 1º – Credenciação

  1. O praticante que se disponibiliza ao serviço domiciliário, voluntário ou profissional, é um praticante de Reiki com pelo menos o terceiro nível;
  2. É direito da pessoa que requer o serviço pedir prova do mesmo, tendo que o praticante mostrar o seu certificado;
  3. É direito da pessoa requerer ao espaço que presta o serviço voluntário ou profissional, a prova de competências adquiridas do prestador.

Artigo 2º – Confidencialidade

  1. O praticante está sujeito ao termo de confidencialidade sobre a pessoa a ser tratada e o local onde a mesma se encontra;
  2. Exceptuando as situações previstas no Código de Ética do CENIF, onde a pessoa possa estar a incorrer contra a sua própria vida.

Artigo 3º – Prática

  1. Seguindo o Código de Ética do CENIF, o praticante compromete-se a aplicar única e exclusivamente Reiki;
  2. Deve adaptar-se às condições de mobilidade da pessoa;
  3. Deve adaptar-se às condições possíveis para a prática dentro da casa;
  4. Em situação alguma deve pedir para que seja retirada roupa;
  5. O seu comportamento deve ser isento, irrepreensível e impecável, perante a pessoa e todos aqueles que possam estar dentro do domicílio;

Artigo 4º – Remuneração

  1. É legítimo em regime de domicílio o voluntário receber um valor pela sua deslocação;
  2. O valor entregue pelo requerente, deve ser feito diretamente com o voluntário e para o voluntário;
  3. O regime profissional poderá ter um acréscimo de valor, comparativamente com o valor praticado no espaço por motivo de deslocação.

Artigo 5º – Reserva de admissão

  1. O CENIF poderá recusar o serviço de domicílio por falta de voluntários, terapeutas ou por não estarem reunidas as condições necessárias à prática no local e ou na pessoa;
  2. O requerente pode recusar o seu voluntário ou terapeuta escolhido, dando a indicação e explicação da recusa.

 

Para mais informações, pode contactar: escola@cenif.com